23/01/2020

Vale a pena parcelar suas dívidas?

Você pode achar que está sozinho, mas você sabia que 63 milhões de brasileiros estavam com o nome sujo em 2019? Então significa, mais ou menos, R$ 274 bilhões de dívidas, sendo 4 dívidas por CPF! Pois é, viu só? Muita gente se empolgou demais.

Aliás, muita gente mesmo, cerca de 40% da população adulta brasileira está com o nome sujo.

A coisa boa é que, nesse post, nós vamos te transformar em um ser imune a dívidas, e principalmente, te ensinar a sair delas. Nessa matéria do nosso blog com dicas para deixar seu SCORE positivo, você vai entender os motivos da necessidade de estar positivo no mercado e quantos benefícios pode te proporcionar.

Mas, vamos lá: Será que vale mesmo a pena parcelar suas dívidas?

Se você está devendo, você sabe que chegam muitos papéis de cobrança pelo correio, ligação em casa, no celular, SMS e até Whatsapp. Quanto mais a tecnologia avança, por mais lugares as operadoras de crédito podem te cobrar. Bem complicadinho, né? 

Nisso tudo tem uma notícia boa: Sabe aquele número assustador na fatura? Não significa que você vai realmente pagar ele! Pois é, a coisa boa é que o ser humano aprendeu a negociar e isso significa que você pode chegar num acordo que você realmente possa pagar e se livrar essas dívidas cruéis.

Vamos supor que a sua dívida inicial era de, por exemplo, R$ 1.000 e com o passar do tempo você teve um problema aqui e ali e nisso, você ficou um ano sem pagar essa dívida. Ela bateu na sua porta acusando que com os famosos juros, você já deve quase R$ 4.000, AAAAAH! 😱

A sensação você conhece: Aquele tremor nas mãos, a nuca suando enquanto você pensa em COMO vai conseguir pagar esse valor.

Pois, a QuiteJá tem certeza que você vai pagar sim, porque você pode negociar por um valor com descontos e que caiba no seu bolso!

É melhor eu pagar a dívida de uma vez ou parcelar?

Depende. Você vai conseguir pagar de uma vez o valor que você negociou sem passar necessidade? Porque, não adianta você pagar de uma vez e se encher de dívida no cartão de crédito porque não conseguiu suprir as necessidades básicas, por exemplo: comida e transporte, né?

Parcelar pode ser uma ótima escolha quando você entra em algo mais consensual com a sua realidade. Por exemplo, a QuiteJá, procura entender a realidade dos clientes e transformar a parcela em algo que caiba no seu bolso. Nós SABEMOS que você quer pagar e se livrar disso. Aí, você consegue limpar seu nome e consegue viver, até porque embora você queira pagar suas dívidas, você também não precisa viver só para pagá-las, né?

Ah, mas ainda fica caro pra eu conseguir pagar…

Não tem problema! Você também pode fazer renda extra para conseguir pagar suas dívidas de um jeito que você não sucumba à exaustão! Nesse post do nosso blog, você vai aprender como usar aplicativos como Uber, 99 e Rappi pode te ajudar a fazer uma renda extra quando você tem um tempo livre. 

Veja, tempo livre não é o tempo que você usa para descansar. Lembre-se que sua saúde é bem importante e por isso aconselhamos parcelar em alguns casos, porque é melhor você cuidar de você e pagar a dívida aos poucos, do que se esgotar e acabar tendo problemas de saúde.

Não adianta ter um nome limpo e estar doente, certo? 🤔

Resolução: Depende de você!

Ponha no papel todas as suas contas e o quanto você precisa pagar por mês. Às vezes é melhor você cuidar de uma dívida por vez, ou parcelar em pequenas quantias para limpar seu nome aos poucos.

A QuiteJá conta com várias opções de negociação. A melhor parte é que você não precisa nem ir até um lugar físico e ficar olhando para alguém tentando negociar e nem ficar com alguém no telefone tentando chegar à uma solução e sendo transferido sem parar.

Aqui, você faz tudo online com o número do seu CPF! Temos vários bancos e empresas parceiras que topam tornar a sua vida o mais fácil o possível.

Já sabe se para você vai ser melhor parcelar ou pagar de uma vez? Vamos negociar juntos aqui! 😃

QuiteJá

Posts Relacionados

Como checar minhas dívidas ativas?
QuiteJá | 12/02/2020
5 ferramentas para ajudar sua vida financeira
QuiteJá | 07/02/2020

Deixe o seu comentário!