22/04/2020

Empréstimo pessoal: como e quando usar?

Quem nunca pensou em solicitar um empréstimo pessoal?

Esse é um recurso que pode resolver a sua vida financeira de várias maneiras:

  • Pagar dívida de cartões de crédito;
  • Quitar financiamento da casa;
  • Pagar mensalidades estudantis;
  • Quitar prestações do carro.

Sem dúvidas, o empréstimo é uma modalidade de crédito que pode ajudar na compra de uma casa ou carro, por exemplo. Ao mesmo tempo que pode servir para quitar aquelas dívidas que têm juros altos, dando a você alguma vantagem.

Como empréstimos pessoais, geralmente, têm taxas de juros mais baixas que as de cartões de crédito, eles podem ser usados ​​para quitar esse tipo de dívida também.

Outra coisa bastante comum é a consolidação de débitos. Se você possui dívida em mais de um cartão, então talvez seja interessante negociar com o banco para juntar os débitos em um só.

Assim, agrupando as dívidas, muito provavelmente você terá um financiamento com valor de juros mais em conta.

Nós sabemos que o crédito pode ser uma ferramenta financeira poderosa. Por isso fazer um empréstimo pessoal é uma responsabilidade e tanto! 

Antes de decidir se vai ou não seguir com a contratação de um empréstimo, é importante considerar, cuidadosamente, alguns pontos importantes!

O que é um empréstimo pessoal?

É você pedir emprestado uma quantia específica de dinheiro a uma instituição de crédito, como um banco ou financeira.

Sendo assim, você pode usar esse valor para ajudar a pagar despesas de plano de saúde, educação, pagar por uma reforma ou, como citado antes, consolidar dívidas.

Para esclarecer ainda mais essa modalidade para você, vamos explicar, aqui, alguns tópicos fundamentais:

Valor do empréstimo – Se você solicita um empréstimo pessoal de R$ 10.000, esse será o valor base para o cálculo dos juros. À medida que você vai pagando as mensalidades, o valor da dívida diminui.

Juros – Ao fazer um empréstimo pessoal, você concorda em pagar sua dívida com juros, que é essencialmente a taxa cobrada pelo banco ou financeira. É uma espécie de “pedágio” por permitir que você use o dinheiro deles e devolva no tempo combinado, em comum acordo.

CET – O Custo Efetivo Total, como o próprio nome diz, é o valor total da negociação do serviço. Ele apresenta os encargos, tributos, taxas e despesas de um empréstimo ou financiamento. Ele é apresentado como um percentual (%) anual. Por isso, antes de assinar qualquer contrato de empréstimo, sempre procure saber qual será o CET.

Prazo – É o número de meses que você tem para quitar o empréstimo. Quando o banco ou financeira aprova seu pedido de empréstimo pessoal, ele informa a taxa de juros e o prazo do financiamento.

Parcela mensal – Todos os meses, durante o prazo combinado, você paga uma prestação do seu empréstimo. Parte desse valor é referente ao que você deve, e a outra parte é composta pelos juros.

Empréstimo sem garantias – Geralmente o banco ou financeira não pede garantias como carros, terrenos ou casas quando aprovam empréstimos pessoais. Eles têm como “garantia” e referência, apenas, o seu perfil de crédito. 

No caso dos créditos imobiliários, aí sim, o imóvel que você está comprando servirá como garantia no caso de qualquer problema com o pagamento das prestações. 

Chegou a hora de solicitar o empréstimo. E agora?

Antes de enviar seu pedido, é importante dar uma olhada na sua pontuação de crédito. Assim, você entende o que os bancos e financeiras verão quando analisarem o seu perfil.

Depois de revisar seu score, e alinhar suas expectativas quanto à aprovação ou não do seu empréstimo, dê prosseguimento ao pedido por meio do seu banco ou financeira de preferência. Caso ele seja baixo, você pode conferir algumas dicas para aumentar o seu score no conteúdo que preparamos para você.

Os bancos e financeiras geralmente consideram sua pontuação de crédito ao revisar seu aplicativo, e uma pontuação mais alta geralmente o qualifica para obter melhores taxas de juros e condições de pagamento.

O impacto no seu Score

Resumindo e repassando por algumas questões que já conversamos aqui, um empréstimo pode ser um atalho para concluir a compra de um bem, como casa ou carro.

Normalmente, praticam taxas de juros inferiores às que você paga por uma compra com cartão de crédito. 

Um empréstimo pessoal também pode ser uma boa maneira de juntar várias dívidas de cartão de crédito, que tenham juros altos, em um único pagamento com juros mais baixos. 😉

Outro ponto importante: quando as parcelas do empréstimo são pagas no prazo, você acaba criando um histórico de crédito positivo para si mesmo.

Dessa maneira, você contribui para que a sua pontuação de score aumente.

Enfim, é sempre fundamental que você gerencie qualquer tipo de crédito com sabedoria.

Eles podem ser muito úteis quando bem administrados, mas lembre-se: assumir dívidas é algo que deve ser sempre muito bem planejado.

Para qualquer outro tipo de esclarecimento sobre como a QuiteJá pode ajudar a organizar sua vida financeira, é só iniciar uma conversa em qualquer um dos nossos canais 😉

QuiteJá

Uma plataforma que nasceu para resolver suas pendências financeiras de maneira segura e sem burocracia. Tem alguma dúvida? Converse com a gente nos comentários!

Deixe o seu comentário!